Dados do e-commerce brasileiro.

4 dados que comprovam o crescimento do e-commerce no Brasil

Por Pablo Ribeiro

Divulgue esse Artigo

A cada ano que passa, o setor apresenta números mais animadores

Você já parou pra pensar no quanto o comércio eletrônico é revolucionário? Além de permitir que qualquer pessoa, onde quer que esteja, consiga acessar uma quantidade imensa de lojas, ele também democratizou a participação de pessoas vendendo produtos e serviços. É muito mais barato criar uma loja virtual que uma loja física:

  • Você não precisa alugar um espaço físico
  • É possível trabalhar sozinho ou com uma equipe bastante reduzida
  • O trabalho online pode ser feito de qualquer lugar com acesso à internet

Esses e vários outros motivos fazem com que iniciar um novo negócio sem considerar o ambiente digital hoje em dia seja, no mínimo, uma falha de planejamento. A cada ano que passa, mais os consumidores ficam confiantes em relação ao serviço das lojas online e maior é a oferta de franquias de internet. Ou seja, o cenário vai se tornando cada vez mais favorável à medida que a tecnologia avança.

As principais formas de divulgação de uma marca atualmente também são online. Redes sociais, influenciadores digitais, Youtube, anúncios no Google… a alternativa offline pra tudo isso seriam flyers de papel e comerciais de televisão. Isso soa ultrapassado e caro, não é mesmo?

O e-commerce não pára de crescer: confira os dados

Você já percebeu que o cenário não poderia estar mais favorável para a venda online, né? A cada ano que passa, o e-commerce brasileiro se torna maior e mais consolidado. A seguir, confira alguns números que vão te dar a exata dimensão do poder desse mercado.

Expectativa de crescimento de 16% em 2019

De acordo com a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), a previsão de crescimento do e-commerce brasileiro é de 16% comparado a 2018, o que representa o maior avanço anual desde 2015.

Vendas devem atingir quase R$80bi

Ainda segundo a ABComm, o volume de vendas deve chegar a R$79,9 em 2019. O tíquete médio deve chegar a R$301 e 265 milhões de pedidos deverão ser efetuados. Espera-se que as micro e pequenas empresas sejam donas de 29% desse faturamento.

Smartphones são fonte de vendas

A ABComm estima que 33% das vendas terão origem em smartphones. Em 2013, eram apenas 2,5%. A empresa Statista verificou, em um levantamento feito em 2016, que os brasileiros passam 4 horas e 48 minutos por dia usando o smartphone, em média. O que isso significa na prática? Uma imensa abertura à anúncios e conteúdos que podem impulsionar vendas.

Marketplaces também em expansão

Em 2018, 31% do faturamento do e-commerce foi obtido pelos Marketplaces. Em 2019, a expectativa é que essa porcentagem suba para 35%. Esse é mais um canal que pode representar ganhos para pequenos e médios empreendedores.

O momento de investir é agora

O segundo semestre reserva duas datas que batem recordes de venda: a Black Friday e o Natal. Se você ainda está na dúvida sobre abrir ou não uma loja virtual, nossa dica é que você faça isso o quanto antes e faça parte das estatísticas que citamos.

Divulgue esse Artigo


Pablo Ribeiro

Fundador da Agência M3, há mais de 5 anos vem ajudando empresas a terem mais resultados com seus e-commerces.

0 comentário (s):


O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cancelar

Artigos relacionados